Capa da revista GQ Brasil de novembro, mês da Consciência Negra, Thiaguinho voltou no tempo e relembrou o início da carreira. Na entrevista, o cantor, compositor e agora empresário voltou no tempo ao recordar seu primeiro acordo profissional.

Aos 17 anos, ele e os amigos se preparavam para o primeiro show da carreira, com a banda Samba & Suor. Infelizmente, por falta de público, o dono do estabelecimento se recusou a abrir a casa para os meninos, que não desistiram e foram para uma lanchonete próxima, começando a cantar de improviso em volta de uma mesa.

A iniciativa deu certo e, a partir dessa apresentação improvisada, Thiaguinho fechou seu primeiro acordo profissional. Todos os domingos, ele se apresentaria por quatro horas e ganharia R$ 15 por show. “Dava pra pagar o lanche”, refletiu o compositor.

Hoje, aos 38 anos e pouco mais de 20 depois do primeiro cachê oficial, o idealizador do bem-sucedido Tardezinha, que lotou o Maracanã na turnê de encerramento, olha pra trás com o sentimento de dever cumprido.

“Venci preconceitos, obstáculos, distâncias, timidez e desconfiança. No Maracanã, eu me vi sentado no bar comendo o mesmo lanche e tive a completa certeza de que vale a pena sonhar”.