• 14 de janeiro de 2022 às 13:52h
  • Clara Oliveira

O BBB 22 começa nesta segunda-feira (17), mas o BBB 21, marcado pela “política do cancelamento” ainda dá o que falar… Em entrevista ao Jornal O Globo, Projota desabafou sobre sua participação no reality e as consequências para sua imagem e carreira. A passagem do rapper pelo programa foi marcada por polêmicas e discussões, que resultaram na eliminação do brother, na sexta semana de confinamento, com 91,89% dos votos.

Na edição, Projota se envolveu em diversas brigas com Lucas Penteado, que desistiu de buscar o prêmio de R$ 1,5 milhão logo no início do reality. Aqui fora, o cantor recebeu uma enxurrada de críticas, sobretudo nas redes sociais. Ao voltar para a vida real, ele se deu conta que sua passagem pela casa mais vigiada do Brasil foi trouxe danos à sua imagem e à sua carreira. O dono do hit “Cobertor”  abriu o jogo e revelou que perdeu admiradores, contratos e o prestígio conquistado ao longo dos anos. Apesar de já ter enfrentado perdas significativas em sua trajetória, ele contou que nunca havia perdido tanto, em um espaço tão curto de tempo.

“Eu sabia que o “Big Brother” era assim, e não culpo ninguém além de mim. Não consegui entender que o tempo ali não seria suficiente para as pessoas verem que não existem anjos e demônios lá dentro, mas seres humanos. E sou impulsivo demais”, declarou, em entrevista por Zoom ao jornal O Globo. “Já perdi muito jogo na vida, mas ali veio tudo de uma vez. Perdi a avó por quem fui criado [ela faleceu em junho], um cachorro e um gato. Perdi amizades, fãs, contratos e prestígio, perdi boa parte do alicerce que levei 20 anos para construir. Você se sente injustiçado, é como se tivesse passado um furacão”, completou.

Agora, focado em seguir em frente e passar por cima dos danos causados pelo programa, Projota divulgou o single “Volta”, primeira faixa do novo álbum “A saída está dentro”, lançado nesta quinta em todas as plataformas digitais. Na música, ele diz que o ego o atrapalhou, mas sua humildade fez com que ele pedisse perdão.

“Quando saí da casa, estava ainda com uma energia muito negativa. Eu escrevia e ficava uma coisa meio raivosa, ou muito de coitadinho. Tive que esperar o tempo passar”, falou. “Eu estava me sentindo totalmente derrotado. Já tive depressão e posso falar: se não fosse pela minha esposa e pela minha filha, talvez eu não estivesse aqui agora. Mas, depois de tudo, ganhei seguidores, contratos, publicidade, coisas que não aconteciam para mim no rap. Consegui humanizar minha imagem. Dancei axé, me maquiei, brinquei, fiz de tudo e muita gente viu isso. Hoje consigo valorizar o “BBB”. Quando saí da casa, eu só pensava: “Mano, o que é que eu fui fazer lá?”, recordou.

Por fim, o rapper enfatizou o fato de a depressão ser o mal da humanidade, e apesar de ter aprendido com sua participação no reality global, confessou ter sido no momento errado:

“A depressão é o grande mal que assola a Humanidade, desde antes da pandemia. Ela é um lugar que não tem portas, não tem janelas, não tem um sofá. E como é que você sai dali, desse lugar em que você muitas vezes não sabe que está? A saída está mais para dentro, é quando você olha para o interior de si mesmo. Isso tem a ver com reality, com internet, com intolerância e com desigualdade social. É importante, por exemplo, que as pessoas cobrem das figuras públicas que elas ajam de uma forma melhor, mas existe um exagero. Eu acho que fui para o “Big Brother” no momento errado”.