• 11 de abril de 2022 às 13:59h, atualizado às 15:51h
  • Clara Oliveira

O novo álbum de Anitta, “Versions Of Me”, chega às plataformas digitais nesta terça-feira (12), e promete vir com tudo! O trabalho é o primeiro da Girl From Rio com a Warner Internacional, e possui, quase que integralmente, canções em inglês e espanhol, com exceção de uma faixa: “Que Rabão” é uma música de Mr. Catra, e contará com participação de Kevin O Chris, Papatinho, YG e, é claro, de Anitta.

A porcentagem da carioca nos lucros do funk, inclusive, será destinada à família do funkeiro, que faleceu em 2018. Por meio do Instagram, Anitta anunciou a novidade.

“Esses somos eu, @yg e @papatinho no estúdio trabalhando na faixa de funk de favela mais difícil do álbum. Há alguns anos, o rei do Funk @mrcatrareal faleceu deixando todos nós que trabalhamos com funk nos sentindo órfãos, como se tivéssemos perdido parte da história do nosso ritmo, que passou por tantos preconceitos por tantos anos. Eu gostaria que você estivesse vendo o que está acontecendo agora, Catra. Acredito que você está em algum lugar observando todos nós. E agora eles vão assistir você também. Antes de o @mrcatrareal morrer, ele deixou uma voz cantando com meu mano @papatinho e resolvemos trabalhar nessa faixa. Convidamos a maior voz do funk da nossa geração, @kevinochris, para se juntar a nós e o resultado ficou incrível. Estou dando toda a minha porcentagem nesta faixa para a família @mrcatrareal, pois ele deixou muitas crianças amadas aqui. E vocês terão o prazer de ouvir novamente sua voz icônica em uma nova faixa. Decidi que esta será a única música em português do álbum. E agora vocês sabem o porquê. Obrigado @papatinho @yg @kevinochris e toda família @mrcatrareal por me apoiarem nessa faixa”, escreveu a cantora.

Legado do pai

Raíssa, uma das filhas de Mr. Catra, resolveu seguir o legado do pai. A cantora e compositora, de 18 anos, lançou, na FM O Dia, sua nova música de trabalho, “Ninguém Vai Me Dizer”. Em entrevista ao programa Funk-U, com Orelhinha e DJ Tubarão, a artista contou que quis transmitir, através do funk, o empoderamento feminino. “A letra impulsiona as mulheres a serem donas de si”, explicou ela.