• Geizon Paulo

Uma live que reuniu três antigos músicos do Kid Abelha, uma das bandas de maior sucesso do pop nacional, acabou revelando alguns bastidores de tretas envolvendo o grupo. No bate-papo ao vivo, os bateristas Claudio Infante, Kadu Menezes e Adal Fonseca contaram várias histórias sobre os mais de 30 anos da banda, entre elas o que teria motivado o fim do Kid, em 2016.

Em um dos momentos da conversa, conduzida pelo músico Aquiles Priester no canal TV Maldita do YouTube, surgiu a questão do porquê a banda acabou. Kadu Menezes, que tocou no Kid Abelha durante 16 anos, deu sua versão, revelando o envolvimento de empresários que atuaram para separar os integrantes da banda e fazer da vocalista Paula Toller uma diva.

“É aquela velha história do empresário. Tem empresário que visualiza no seu artista a possibilidade de ele ser uma coisa maior do que ele é. Vou ser sincero. Não adianta falar para Paula que ela vai ser a diva da música brasileira. Ela é maravilhosa, é uma supercantora, tem muitos méritos. Mas não adianta… Gal Costa, Maria Bethânia, Marisa Monte são divas por natureza. A Paula começou no pop rock. E algum empresário que entrou começou com essa história de querer separar a banda.”, disse o músico.

Kadu conta que os agentes promoveram um distanciamento entre toda a equipe. “Quando eu entrei, em 1991, todo mundo andava na mesma van, todo mundo tomava café da manhã junto no hotel. Tempos depois, começaram a separar os músicos do restante do Kid, separar os músicos da equipe técnica. No próprio Kid, começaram a separar a Paula. Ela tinha o carro dela sozinho. Começaram até separar os hotéis também”, disse o baterista, que acredita que esse afastamento interno foi o que minou a banda. “O determinante para o fim foi essa história. A Paula vai ser diva, o Kid vai ser os outros dois caras e a banda vai ser a banda, cada um no seu patamar. Tenho certeza que começou a degringolar por aí”, comentou.