• Geizon Paulo

Com a Marquês de Sapucaí em obras, desfiles das escolas de samba só poderão acontecer depois de abril. (Reprodução/Internet)

Não é novidade que a Liesa, a Liga das Escolas de Samba, bateu o martelo e decidiu cancelar os desfiles do Grupo Especial em fevereiro, quando, de fato, acontece o Carnaval, por causa da pandemia do novo coronavírus. A entidade ainda estuda a realização dos desfiles em outra data ainda em 2021, mas, mesmo que uma vacina contra a Covid-19 esteja disponível, isso só poderá acontecer a partir de maio.

O motivo é que a Prefeitura do Rio decidiu realizar uma série de obras na Marquês de Sapucaí. Os serviços, que incluem instalação de corrimãos nas arquibancadas e de hidrantes, mangueiras e caixas de incêndio em todo o Sambódromo e, também, a construção de um sistema de iluminação de emergência, começam em dezembro e só devem ser concluídos em abril.

Ao todo serão gastos R$ 8,1 milhões nas obras, mas os serviços são importantes para garantir que o Sambódromo do Rio consiga, finalmente, o certificado definitivo de aprovação do Corpo de Bombeiros para a realização de eventos de grande porte, como o Carnaval e festivais de música, realizados na Praça da Apoteose.