• Geizon Paulo

Jamelão, Cartola e Mestre Delegado serão homenageados no enredo da Mangueira no Carnaval 2021. (Reprodução/Instagram)

A Mangueira decidiu fazer uma justa homenagem e reparar injustiças em seu próximo Carnaval, aconteça ela realmente em 2021 ou não. A escola vai levar para a Avenida o enredo “Agenor, José e Laurindo”, do carnavalesco Leandro Vieira, numa exaltação a três centenários baluartes da Verde e Rosa: o compositor Cartola, um dos fundadores da agremiação; o intérprete Jamelão, que detestava ser chamado de puxador de escola de samba; e o mestre-sala Delegado, que desde sua estreia, em 1948, só tirou notas 10 dos jurados até se aposentar em 1984.

O ano de 2021 marca o centenário apenas de Delegado, mas a Mangueira vai aproveitar a ocasião para reparar a falta de homenagens a Cartola e Jamelão nos anos em que eles completariam 100 anos, caso estivessem vivos, em 2008 e 2013, respectivamente. O enredo faz uso dos nomes de batismo dos três gênios do samba, nascidos Angenor de Oliveira (Cartola), José Bispo Clementino dos Santos (Jamelão) e Hélio Laurindo da Silva (Mestre Delegado), para homenageá-los.

“O título do enredo tem os nomes que fazem deles homens comuns ligados aos saberes de Mangueira. E eu tenho olhado cada vez mais pros corpos e saberes da Mangueira, a comunidade que represento. Gosto de entender o que posso fazer com o privilégio que é dado a mim: o de escolher o que a escola vai cantar no desfile. São 321 anos de história que vamos contar na avenida”, escreveu o carnavalesco Leandro Vieira em suas redes sociais.

O carnavalesco Leandro Vieira será o responsável por levar para a Sapucaí a história dos três baluartes da Verde e Rosa. (Reprodução/Instagram)

Leandro também exaltou a importância para a escola de fazer essa justa homenagem a três figuras tão importantes na história da Mangueira. “Quando houver desfile, quero que a Verde e Rosa esteja mergulhada no imenso estado de poesia que sopra do universo de três artistas que nos deixaram como legado algo intangível. Minha sexta proposta autoral para a Mangueira é “ANGENOR, JOSÉ e LAURINDO.” Uma tripla homenagem que reúne o divino Cartola, a voz do Jamelão e o bailado do mestre-sala Delegado (em 2021, o bailarino da Favela completa 100 anos) num enredo que festeja aquilo que a escola guarda de mais valioso e que nos faz tanta falta quando somos privados de seu convívio: a arte que brota de sua gente! É nessa “trinca de reis” que eu boto fé de verdade!”, afirmou o carnavalesco, confiante em levar mais um campeonato.

Os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro estão previstos para acontecer nos dias 11 e 12 de julho, mas a realização da festa está condicionada à aplicação em massa de uma vacina contra a Covid-19, além de outras questões, como a discussão de um projeto de lei para definir um feriado na ocasião.

Mangueira tenta corrigir injustiça comemorando, em 2021, além do centenário de Mestre Delegado, os centenários tardios de Cartola e Jamelão. (Reprodução/Instagram)