Na manhã desta terça-feira (28), Ludmilla usou o Twitter pra pedir ajuda aos seus seguidores na busca pela família de Samuel Vicente, jovem de 17 anos, morto no último sábado ao ser atingindo por um disparo numa ação da Polícia Militar em Anchieta, bairro da Zona Norte do Rio.

Ao tomar conhecimento do caso, a partir de uma matéria que viu na TV, a artista ficou sensibilizada com o sofrimento dos familiares do adolescente, que estão com dificuldades financeiras, e se prontificou a pagar os custos do enterro. Por meio de sua conta, ela mobilizou os fãs pela causa ao compartilhar uma série de posts.

“Hoje cheguei em casa na hora do jantar, a tv tava ligada no jornal e começou a passar a história do Samuel Vicente. Eu perdi a fome e chorei com a covardia e sofrimento que a mãe desse menino está passando”, iniciou a cantora.

“O enterro dele já foi adiado por falta de verba e eu quero muito ajudar a mãe desse menino a dar um enterro digno pra ele, alguém pode me ajudar a achar a família do Samuel”, pediu.

Horas depois, Ludmilla fez um post anunciando que já estava em contato com a família de Samuel.

“Galera, obrigada, já tô em contato com a família”, comunicou.

O jovem e o padastro dele, Willian Vasconcellos da Silva, de 38 anos, que também foi atingido e morreu, foram sepultados na manhã desta terça-feira, no cemitério de Olinda, na baixada Fluminense.

De acordo com o jornal Extra, ambos levavam, numa moto pilotada por Willian, a namorada de Samuel, Camily da Silva Polinário, de 18 anos, pra ser atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento. A menina também ficou ferida, mas já recebeu alta. Segundo a família, a PM fez os disparos.

Os policiais, no entanto, negam. A versão dos profissionais é que eles realizavam um patrulhamento em uma rua de Anchieta, quando foram atacados e revidaram. Eles afirmaram, ainda, que um dos passageiros estava armado.

A família de Samuel declarou que ele e o padrasto estavam indo à uma UPA socorrer Camily, que havia se sentido mal depois de comer um cachorro-quente. A mãe do jovem, porém, nega que houvesse alguém na moto.