• 13 de janeiro de 2022 às 17:06h, atualizado às 18:22h
  • Clara Oliveira

Duplas sertanejas são como casamentos, e como todo relacionamento, as desavenças não ficam de fora. Confirmando algumas histórias que já rolavam nos bastidores da música, Jorge revelou que brigas fazem parte, sim, da parceria com Mateus. O artista apontou a divergência de opiniões como o principal motivo das discussões. Apesar disso, o cantor afirmou, em entrevista ao canal de André Piunti no Youtube, que os dois vivem a melhor fase da carreira.

“Esses desentendimentos acontecem como acontecem com dois irmãos, que têm pensamentos diferentes e moram na mesma casa. Dezessete anos depois, tudo é diferente. Primeiro, porque a gente começou muito jovem, e de vez em quando você quer bater de frente. Quando existem duas personalidades diferentes e fortes, vão ter esses choques, mas a partir do momento que você começa a respeitar a pessoa que tá ali do seu lado e analisar que vocês têm a mesma vida e a mesma correria, você começa a ceder um pouco mais, a deixar o ego de lado, porque eu acho que o que estraga qualquer relação é isso: o ego. É querer ser sempre o dono da verdade, então a gente foi aprendendo a conviver de uma forma muito respeitosa um com o outro”, explicou a primeira voz da dupla.

Em seguida, Jorge contou que ambos tiraram um peso das costas e, hoje, lidam com tudo o que envolve a dupla de forma mais madura e equilibrada:

“A gente tá vivendo a nossa melhor fase. Todo aquele peso que a gente foi carregando, da importância da dupla num contexto geral, dos problemas com os sócios e tudo mais, a gente tirou das costas. Esse alívio foi somado com o respeito mútuo que a gente tem um pelo outro, os dois juntos em prol desse objetivo, só que agora mais maduros, equilibrados e pais de família”, concluiu.

Em outro momento da conversa, o sertanejo confessou que pensou em abandonar a música por conta dos problemas que enfrentaram. “Já tive vontade de parar de cantar. Chega um momento em que você está extremamente desgastado, emocional e fisicamente […] É muita pressão na cabeça. Se não tiver bem, não tiver um apoio familiar, você vai ficar deprimido e achar que seu sonho está se tornando um pesadelo”, desabafou.