• FM O Dia

“Viver (Mais leve que o ar)” é o primeiro disco solo de Falcão após pausa do Rappa | Foto: Nelson Pacheco


Falcão disse que O Rappa deu um tempo para que cada um dos integrantes pudessem fazer suas próprias coisas. E, convenhamos, começar uma carreira solo, ainda mais depois de 25 anos cantando em um dos maiores grupos do Brasil, não é uma tarefa fácil.

O cantor disse que o primeiro ano foi complicado, até mesmo para os fãs.

“Eu acho que venho de uma banda muito gigante, né? As pessoas, pelo amor que eu tenho à banda e que elas têm também, não conseguiam desassociar, naquele primeiro momento, de eu não estar cantando no Rappa. Mas depois virou uma soma. O cara pode ter o Rappa e pode ter o Marcelo Falcão”, revelou.

Por isso, o cantor decidiu que iria percorrer um caminho mais chatinho, porém, que o deixasse feliz. Não quis marcar presença em grandes eventos, pois ainda esperavam ouvir músicas do grupo e não era isso que ele queria. Então, foi soltar a voz em shows menores, onde pôde fazer tudo do jeitinho que queria.

“Nesse primeiro ano foi uma batalha de eu nem querer participar de festivais. […] Eu pude ir para casas menores e tocar o meu show mesmo.”

E O RAPPA, VOLTA?

Ele, que não foge das perguntas e detesta uma forçação de barra, revela que ainda teremos a união do Rappa no futuro. Isso, claro, desde que todos os integrantes estejam de acordo.

“A gente deve um disco para a Warner. Então, possivelmente um dia quando a gente se encontrar, vamos gravar um disco para a gravadora e matar a saudade da galera. Mas, por agora, eu nem posso me comprometer com isso, até se a galera quisesse voltar, porque eu tenho um compromisso que foi o nosso combinado. Eu vou fazer as minhas paradas e quando terminar, e todo mundo estiver num consenso, a gente volta pra fazer um som.”

E aí, ficou ansioso? Para ficar por dentro de tudo sobre o cantor, assista a entrevista dele no canal do Holofote