• Antônio Jordão

Não é novidade nenhuma que a pandemia atrasou a vida de muita gente no Brasil. Entretanto, este período também serviu para alguns artistas se reinventarem musicalmente, uma vez que não tinham mais shows lotados para serem realizados. E este foi o caso do cantor Eduardo Costa, que acredita que não teria uma carreira duradoura se não fosse este momento.

“Eu me redescobri como artista, eu voltei a tocar, eu voltei a compor, eu voltei a ter prazer em fazer música, eu voltei a ter contato direto com os meus fãs, eu descobri a música digital.”

Acostumado a se apresentar até 20 vezes por mês desde os 15 anos e com a reviravolta forçada na trajetória, ele diz que o principal proveniente da renda que recebe atualmente vem do que é produzido na internet.

“Hoje, o que me dá renda é a música digital. Eu não tenho outro ganho. A remuneração da live não é a mesma de um show.”

Além disso, ele revela valores e não nega que a vida do ‘antigo normal’ era bem mais lucrativa:

“A gente fazia show de R$ 150 mil reais, R$ 200 mil reais, mas a gente fazia vinte (shows). Quando você faz uma live de 1 milhão, o valor é alto, mas é uma! Quando você pega as despesas, que são altíssimas, de tudo, sobra muito pouco.”

O cantor ainda fez uma revelação surpreendente. Ele disse que temia pelo futuro da sua carreira.

“Se não tivesse a pandemia, eu acho que eu não teria uma carreira duradoura”, revelou.