Provavelmente você acompanhou, nos últimos dias, a saga de Gabriel Medina e Yasmin Brunet em relação à ida da modelo aos Jogos Olímpicos de Tóquio. Sabemos também que isso não vai acontecer, já que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) vetou a ida de Yasmin, causando a insatisfação do casal.

Após Medina embarcar para Tóquio neste domingo (18), Yasmin aproveitou para desejar boa sorte ao marido e, depois, usou os stories do Instagram pra falar sobre o ódio gratuito que vem sendo distribuído nas redes sociais.

“É muito curioso, porque a maioria das pessoas, quando vêem uma agressão física, ficam em choque e pensam ‘Como que a pessoa poderia fazer isso com outra pessoa?’, mas não pensa duas vezes antes de agredir psicologicamente ou verbalmente alguém”.

“Só o físico, que é o que deixa marca, é o que importa e é o que choca”, pontuou Yasmin. “Mas o que deixa marca na alma, no pensamento, na forma que você vai se portar e vai agir de agora em diante com todo mundo te criticando e te enchendo o saco, isso não conta, né?”.

A modelo fez questão de enfatizar que, em nenhum momento, estava minimizando a violência física, mas destacou a falta de cuidado das pessoas em relação à saúde mental do outro.

“A violência verbal e psicológica também é extremamente séria e ninguém pensa duas vezes antes de fazer isso com qualquer pessoa só porque tem uma tela na frente”, disse a filha de Luíza Brunet.

“Gente, não é assim que funciona, de verdade, sério, isso é um absurdo, o que tá acontecendo hoje em dia no mundo digital, nas mídias sociais, e como isso tá sendo normalizado e exaltado”.

“Essa tela aqui faz de todo mundo valente, faz de todo mundo corajoso, mas do outro lado, a gente esquece que tem uma pessoa que tá recebendo de uma forma completamente vulnerável”, destacou Yasmin.