• FM O Dia

Aqui no Holofote, a gente já tinha contado que gravar uma parceria com o Marcelo Falcão – o famoso ‘feat’ – não era lá uma tarefa muito fácil.

E não é que com o MC Don Juan acontece a mesma coisa? Não adianta ser artista grande e ter milhões de visualizações na internet, não. Ele contou tudo pra gente durante uma entrevista exclusiva no Resenha Proibidona, programa de todas as quartas (20h) na FM O Dia.

Don Juan e Tierry em Lockdengo

O MC, que é o segundo cantor solo mais ouvido no Brasil em uma famosa plataforma digital, conta que ele precisa curtir o trabalho da pessoa e que tem que haver uma troca:

“Eu gosto de gravar com quem eu tenho amizade, com quem eu já troquei uma ideia, com quem eu tenho uma conexão. Não gravo só por gravar, pelo cara ser F*d@ ou algo assim.”

 

Don Juan abriu o jogo e contou que já recusou vários pedidos de parceria. Ele conta que não viu verdade na galera, mas, sim, uma estratégia pra alavancar as visualizações:

 “Tem uns caras que chegam só pensando em número e o ‘bagulho’ não é só isso. Música, pra mim, tem que ter um sentido, tem que ter um ‘bagulho’ a mais. Se for pra gente ir só por número, eu prefiro nem gravar. Tem que ser um cara que eu pelo menos curta a pessoa dele, que eu acompanho o trampo…”, disse.

 

No mundo da música, o que mais a gente vê são hits que vão e vem. Artistas que fazem sucesso com uma música, mas que acabam não dando continuidade no trabalho. São poucos os que conseguem se manter no hype, na onda das paradas musicais.

E pra essa galera que consegue a façanha de estourar um hit, o artista deixa a dica:

“Rapaziada que tá começando aí, o maior cuidado que eu falo pra vocês terem depois que estourarem é isso: o que mais vai ter são artistas querendo”.

Beleza, já entendemos que ele só grava com quem tem uma empatia, mas isso não quer dizer que não existe uma estratégia por trás. Que, por sinal, também vale para as músicas que ele grava solo.

 “Hoje em dia é tudo pensado, né pai? Nós não faz nada no susto. Nós estuda quem é a pessoa que nós vai fazer o trampo”, conta.

E sobre investimento? Na contramão do mercado fonográfico, Don Juan conta que não gasta muito dinheiro com divulgação e que as músicas ganham força naturalmente. Na verdade, ele conta que quando investe muito, o retorno é menor. Ele explica:

“Se a música for boa, o bagulho vai. Eu mesmo sou a prova disso, nós gasta muito dinheiro no clipe e o bagulho não vai (…) O que vale é o público, é aquela parada de energia que eu falei, fazer o bagulho de coração mesmo”, disse.

Ah! Você deve estar aí pensando por que a Marília Mendonça tá lá em cima na foto junto com ele, né? É porque esse é o grande sonho do artista. Gravar com a rainha da sofrência. Quem não quer ter esse privilégio, né? A gente, claro, fica aqui na torcida pra que role!