Divas do pop-funk colecionam milhões de seguidores. Anitta e Valesca não estão se seguindo

  • Antônio Jordão

Musas do Instagram

Elas são poderosas nas redes sociais: Anitta, Ludmilla, MC Pocahontas, Valesca, Lexa e MC Tati Zaqui somam, juntas, 40 milhões e 200 mil seguidores no Instagram. Ninguém segura!
A cantora Anitta, com 21 milhões e 200 mil seguidores lidera com folga. Em segundo lugar, Ludmilla reúne em seu perfil  7 milhões e 100 mil fãs. Atrás dela estão: Tati Zaqui (4 milhões e 400 mil), Pocahontas (3 milhões e 300 mil), Lexa (2 milhões e 300 mil) e Valesca, com quase 2 milhões.
Com tantos seguidores assim, será que essas musas também seguem muita gente? Se liga na quantidade de pessoas que as cantoras seguem no Instagram, por ordem decrescente:

  • Valesca: 2.802 pessoas;

  • Anitta: 1071;

  • MC Pocahontas: 721;

    • Tati Zaqui: 705;

    • Lexa: 642;

    • Ludmilla: 426.

    Agora, quem será que tem a moral de ser seguido por elas? Com exceção da MC Tati Zaqui, todas as outras seguem perfis como: Bruna Marquezine, Ivete Sangalo, Gominho e David Brazil.
    Anitta é uma das seguidoras da Tati, mas a paulista não a seguiu de volta. Dessa lista, Tati só está seguindo a cantora Lexa. Outra surpresa é o fato de que as cariocas Anitta e Valesca não se seguem.

    Batemos um papo com a cantora Valesca e você confere agora como foi


    Valesca Popozuda

    1 – Você tem quase 2 milhões de seguidores no Instagram.  Você se sente com uma responsabilidade maior sabendo que está “falando” pra tanta gente assim?
    Claro, têm crianças e até senhoras e eu busco manter a minha “liberdade” nas postagens, mas cuido muito para que não seja algo negativo. Não vou postar nada relacionado a drogas ou bebidas. Se for prejudicial para alguém, não tem espaço nas minhas redes. Eu procuro passar uma mensagem positiva, sempre.
    2 – Falando em Instagram, nossos ouvintes verificaram que você não segue a cantora Anitta e vice-versa.
    Eu não tenho nada contra a mesma, porém, é natural seguir quem tenho mais contato. No twitter, eu sou seguidora dela, não tenho problema em segui-la!

    3 – Como você vê, hoje, o papel da mulher no funk brasileiro?  
    Vejo um crescimento muito forte e acho isso ótimo, está na hora da voz feminina também ser ouvida, ser entendida e passar seu recado.

    4 – Sobre o projeto de criminalização do funk que ganhou força nos noticiários nos últimos dias, o que você tem a dizer sobre isso?
    Uma falta total do que fazer! Por que não buscam acabar com a corrupção e passam a olhar por nossa segurança, saúde e educação? Querem criminalizar o funk com o Brasil vivendo esse caos que está?!