• 24 de dezembro de 2021 às 13:21h, atualizado em 24 de dezembro de 2021 às 13:21h às 14:12h
  • Antônio Jordão

A mistura de gêneros musicais nunca foi novidade na carreira de Dilsinho, que se lançou no pagode, mas tá sempre explorando a versatilidade dos ritmos e colecionando feats com artistas para além do samba.

Em entrevista ao podcast Bulldog Show, apresentado por Tuka Carvalho e Samyra Ponce, o cantor revelou que, apesar de curtir passear por outros estilos, aposta ainda mais nessas parcerias porque não costuma ser convidado pra gravar com artistas do pagode.

“A galera do pagode não me chama muito. Por incrível que pareça, a galera dos outros segmentos entende muito mais o trabalho que eu faço do que a própria galera do pagode”, declarou.

Dilsinho opinou, ainda, dizendo que algumas pessoas podem enxergar sua versatilidade como uma vontade de mudar de gênero musical:

“Eu sinto que, pelo fato de eu ser um artista que faz muita coisa fora do segmento, muita gente deve achar que eu quero estar naquele outro lugar, fazendo coisas que não sejam pagode. Mas é totalmente o contrário: eu tô pegando a plataforma do pagode e levando pra outro lugar a música que a gente faz pra outras pessoas conhecerem”.

Embora o pagode seja sua casa, o compositor pontuou o fato de que, com a diversidade cultural do Brasil, não explorar outros universos musicais seria desperdiçar potencial.

“Com a polarização musical que a gente tem, a diversidade cultural que a gente tem no Brasil, seria pequeno da minha parte imaginar que eu não posso cantar com alguém do sertanejo, com alguém do forró, com alguém do rock ou do pop porque eu canto pagode e porque eu comecei ali”, finalizou.

Confira a entrevista completa: