• FM O Dia

Ela quer estourar e fazer muito dinheiro | Foto: Guto Costa


A Marvilla sofreu um bocado no início da carreira por querer cantar pagode. Só que esse momento já passou e agora ela se sente super à vontade pra fazer isso. Mas não quer ficar presa a um só gênero e pretende misturar um monte de ritmos futuramente.

“Eu quero crescer muito no pagode, ser referência e incentivo para muitas mulheres que também amam e querem fazer o pagode. Mas eu amo todos os ritmos, sou muito eclética. Então, a minha ideia é unir os ritmos.”

Se fizer isso mesmo, não tenho dúvidas de que vai sair por aí bombando um som atrás do outro!

ALTOS E BAIXOS

A cantora trocou uma ideia com a nossa Viviy Tenorio para o canal no YouTube do Holofote e revelou umas coisas bem interessantes.

A primeira, foi quando se ouviu pela primeira vez na rádio. Considerou como o ponto alto da carreira. O baixo foi quando duvidaram do potencial dela para cantar em um estilo de música que só tem macho fazendo sucesso.

“Acho que o ponto alto da minha carreira foi quando eu ouvi a minha primeira música tocando na rádio. O ponto baixo foi quando eu ouvi pessoas dizendo que eu não deveria escolher o gênero do pagode por eu ser mulher. Mas eu não fiquei nesse ponto baixo, eu não deixei.”

E Marvvila sonha alto, hein. Sabe como ela se vê no futuro? Montada na grana, com um mozão, pagodinho rolando e com uma legião de fãs. Confere aí:

“Daqui a 5 anos eu me vejo bombando, com as pessoas ouvindo a minha música. Meu sonho é ver uma multidão de gente cantando as minhas músicas. E rica, com a minha casa, minha família, um cachorro, um gato, mozão, sofrência e pagode.”