• FM O Dia

Os MCs Maneirinho e Cabelinho estiveram no programa Resenha Proibidona, da FM O Dia, e revelaram uma das estratégias utilizadas antes de lançar uma música. Eles contam que a música tem que começar na comunidade, pra depois ganhar o bairro, a cidade, o Brasil. Depois que a música fica pronta, eles mostram primeiro para os amigos e dependendo da reação da galera eles lançam ou não. 

“Primeiro lugar, tem que fazer a tua comunidade te abraçar. De forma natural. Meus ‘crias’ me ‘abraça’ muito. Eu mato e morro pelo meus crias, porque eu sei que eles vão fazer o mesmo por mim. Todas as músicas que eu faço, eu boto pro meus ‘cria’ ouvir, se eles já ‘fizer’ aquela cara de b*nd@, eu não lanço. A aprovação da música que nós ‘lança’ tem que vir pelos ‘cria’. Se os meus cria gostar eu lanço que vai dar bom. O papo é reto, a gente não pode perder nossa origem, nossa raiz”, revela Cabelinho.

Maneirinho complementa: “Sempre a nossa identidade vai ser o nosso ponto mais forte. É nossa identidade ali que os nossos fãs compram”.

Nascido e criado no morro do Serrão, em Niterói, o MC destaca que manter a identidade e não se “corromper”, é peça chave pra uma carreira duradoura. Maneirinho conta que mudanças que não tenham a ver com quem ele é, geram cobranças na comunidade e lembra que passou por isso quando foi pra uma gravadora, que costuma a interferir diretamente na imagem dos artistas. 

Queriam tirar meu nome de MC, queriam me colocar pra cantar coisas nada a ver (…) Cantar só pop, que a garota de Ipanema é linda e cheia de graça. Eu não sou isso mano (…) Mandaram eu fazer uma sessão de fotos, todo papagaiado, meio maluco, nada a ver com a minha identidade (…) Eu brotava na comunidade e a galera: ‘Ih Maneirinho, esse bagulho não tá maneiro”, conta. 

Assista a entrevista