ARTISTA DE A-Z

  1. A
  2. B
  3. C
  4. D
  5. E
  6. F
  7. G
  8. H
  9. I
  10. J
  11. K
  12. L
  13. M
  14. N
  15. O
  16. P
  17. Q
  18. R
  19. S
  20. T
  21. U
  22. V
  23. W
  24. X
  25. Y
  26. Z
  27. 0-9

Bebeto

1730 exibições

ENVIE ESTA PÁGINA PARA UM AMIGO





1 faixas

Lançamento:

Gravadora:

Série Gold: ao Vivo

3 faixas

Lançamento:

Gravadora:

Raízes do Samba: Bebeto

A entrevista começa. De cara lhe pergunto qual é o papel da música na sua vida. O homem pára, fica mudo, emociona-se e finalmente diz, convicto, sem dúvidas; “A música foi o meu nascimento”.

E que ninguém duvide das palavras deste paulistano nascido no tradicional bairro do Braz. A música sempre estivera ao seu lado, mesmo quando seus planos passavam longe de uma carreira nos palcos. “O ambiente lá em casa era muito musical, muito festeiro. Minha mãe tocava piano e meu pai era organizador de festas e eventos.

Eles foram minha primeira influência, mas eu nunca pensei em ser musico profissional”. Menino ainda queria ser artista plástico.Artista plástico ou jogador de futebol “Cheguei a treinar no Corinthians” lembra orgulhoso.Mas não havia como escapar do seu destino.Sonhava com chuteiras, tintas e pincéis, mas pegava o violão do pai escondido onde ensaiava as primeiras notas, os primeiros acordes.

Descoberto meio que por acaso enquanto ensaiava com uns amigos na varanda de casa, Bebeto acabaria acompanhando os atores-cantores Roberto Barreiros e Arnô Rodrigues que possuíam ambos quadros no popular programa A praça da Alegria de Manuel de Nóbrega (programa este que se transformaria no atual A praça é nossa). “Me apresentei em muitos lugares com o show da praça, mas não levava aquilo muito a sério. Eu tinha na época 17 anos e para mim tudo não passava de curtição”.Bebeto não sabia ainda, mas a música acabaria se tornando algo muito sério em sua vida.Algo muito mais sério que um simples hobby.

Convidado por seus proprietários Ana Maria e Maurício, Bebeto começaria a se apresentar regularmente na cultuada boate Stardust aonde durante as frias noites paulistanas desfiava um repertório rico em Jacksons do Pandeiro, Triny Lopez, Beatles e outros bambas. Naquela época o Stardust não era apenas uma boate, era um autêntico celeiro de talentos. O bruxo Hermeto Paschoal e o legendário guitarrista Lany Gordin seriam apenas uns dos muitos que dividiriam o palco com o Bebeto, então um iniciante, mas que já carregava consigo o suíngue samba-roqueiro que seria sua marca registrada. A palhetada mágica estava lá, e era apenas uma questão de tempo até que ela fosse descoberta.

“O dono da Copacabana (gravadora) me viu tocando e marcou uma reunião comigo, mas eu não fui, eu tinha uns vinte anos e queria mesmo era continuar tocando na noite”. Tocar na noite e fazer jingles comerciais.Pouca gente sabe, mas as canções que embalavam as vendas do café Pelé, da coristina D do guaraná Antarctica e de tantos outros produtos populares saíram da pena do futuro rei do samba-rock. “Como eu não apareci no primeiro encontro os caras da gravadora voltaram a falar comigo, insistiram, e me convenceram a gravar um compacto”.

Com Canto de Yemanjá de um lado e Prá se balançar do outro sai o primeiro compacto que não obtém muita repercussão, mas com uma faixa do segundo compacto (Zé do Tamborim) Bebeto começaria a invadir as rádios.Invasão que se tornaria impossível de ser evitada com o lançamento de seu terceiro compacto.

Hélio Ribeiro então diretor da popular rádio Bandeirantes era um homem de visão, sabia farejar o sucesso como poucos e ao ouvir o compacto com A beleza é você menina não teve dúvidas e sapecou a canção na programação da rádio.Batata. Era quase impossível resistir ao balanço hipnótico daqueles versos simples (a beleza é você menina, no seu jeito de olhar...) ou ao refrão, grudento, delicioso (Hei vento, vento ventou no mar/ se segura no balanço pro vento não te levar). Era a crônica de um sucesso anunciado.

O número de shows aumentaram consideravelmente com o sucesso de A beleza... que se tornaria uma das canções mais pedidas do ano de 78.A música inclusive já havia atravessado as fronteiras da terra da garoa.Morando em São Paulo Bebeto estava estourado no Rio e não sabia. “Meu primeiro show no Rio foi em Niterói” relembra feliz o mestre da alquimia. “Era um lugar chamado Vila Lage e eu nunca tinha visto tanto segurança e tanta gente na minha vida. O lugar estava lotado, todo mundo me esperando. Ali eu descobri que era o Bebeto”.

MAIS ARTISTAS

Clique aqui e peça sua música

SÓ AS MELHORES

As mais pedidas pelo telefone:

Publicidade

PROMOÇÕES

Mordomia - Paiol 08

Sexta é dia de curtir a Lapa!

PEDIDO MUSICAL

Pedido enviado com sucesso

Copyright 2009-2015 Rádio FM O DIA
Todos os direitos reservados

(21) 2509-9030

Av. Abelardo Bueno 2001 - Polo Cine & Vídeo.
R. Carlos Machado 131 - Barra da Tijuca - RJ | CEP 22.775-042

Baixe o Aplicativo

Apple Store Google Play Windows Phone